1 de jan de 2018

Adeus 2017



Muita coisa havia (há) a referir no que concerne ao ano que agora chegou ao fim. Com a chegada de 2018 não queria deixar de partilhar alguns momentos do ano que passou, como que à laia de retrospectiva. Aqui vos deixo alguns palavras e imagens de alguns momentos de 2017:

A entrevista a Romeu Correia –publicada no DN/Jovem, Novembro 1987 ( há 30 anos) neste ano do seu centenário;





Almada homenageia o Cante;


3º Aniversário do Cante assinalado em Almada

Em Almada, a passagem do 3º Aniversário de elevação do Cante a Património Cultural Imaterial da Humanidade, assinalada nos dias 2 e 3 de Dezembro, constituiu um grande êxito.
Com a denominação "Almada homenageia o Cante" - como tinha acontecido no 1º aniversário – este ano movimentou mais de 1.300 pessoas nas várias acções realizadas: a “Feira de Artes e Enogastronomia”, o espectáculo realizado no Fórum Municipal Romeu Correia assim como as actuações nas 11 freguesias – “O Cante nas Freguesias”, foi extremamente importante quer no seu conjunto quer individualmente.
No primeiro dia a Oficina de Cultura registou um enchente de mais de 400 pessoas, tendo na sessão inaugural acontecido a primeira actuação pública do recém-formado Grupo Infantil de Cante Alentejano do Agrupamento de Escolas Francisco Simões, a face mais visível resultante do trabalho empenhado que o Grupo de Trabalho do Cante do Concelho de Almada (GTCCA) - responsável pela organização do evento - tem vindo a realizar desde 2015 junto da comunidade educativa do concelho.
Este grupo infantil, constituindo por alunos(as) do 4º ano do ensino básico, consequência do projecto piloto que na diáspora alentejana tem sido posto em prática com o objectivo da salvaguarda do Cante em Almada, é apenas uma parte do universo, que com a adesão de mais seis turmas de outra escola do mesmo Agrupamento, onde se prevê iniciar em breve  o ensino do Cante, o que significa o envolvimento de 200 crianças neste projecto de ensino formal e informal.
“Almada homenageia o Cante” foi organizado pelo GTCCA composto por 10 entidades corais, musicais, associativas, educativas, autárquicas, documentais e editoriais: Associação Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó; Grupo Coral Alentejano Recordar a Mocidade do CIRL; Laranjeiro, Junta de Freguesia de Laranjeiro e Feijó; Alma Alentejana – Associação para o Desenvolvimento, Cooperação e Solidariedade Social; Agrupamento de Escolas Francisco Simões; MODA-Associação de Cante Alentejano; Grupo Rumores d’Além Tejo; Associação das Colectividades do Concelho de Almada (ACCA); Centro de Estudos Documentais do Alentejo (CEDA) e Revista Memória Alentejana.
Teve apoio financeiro e logístico da Junta de Freguesia de Laranjeiro, apoio financeiro do Santuário Nacional do Cristo Rei, da União de Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas, da Junta das Freguesias de Charneca de Caparica e Sobreda, da Junta da União das Freguesias de Caparica e Trafaria, da Junta de Freguesia da Costa de Caparica, apoio logístico da CMA e colaboração da ARPCA e de Maria do Céu Silva.
Com uma qualidade assinalável em cada realização do vasto programa, fruto de um planeamento rigoroso, “Almada homenageia o Cante”, registou a presença da Presidente da CMA, Inês de Medeiros, do Vice-Presidente João Couvaneiro – que intervieram no dia de abertura - dos Presidentes da Junta de Freguesia de Laranjeiro e Feijó, Luís Palma, da União de Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas, Ricardo Louçã, da Junta das Freguesias de Charneca de Caparica e Sobreda – tendo os dois primeiros intervido na sessão de encerramento na Oficina de Cultura, onde marcaram ainda presença o antigo Presidente da CMA, actual Vereador Joaquim Judas e o Vereadora Joana Mortágua, assim como diversos dirigentes associativos.
Nas outras nove sessões de “O Cante nas Freguesias”, realizado em cada uma das freguesias, marcaram presença e usaram da palavra os Presidentes da Junta das Freguesias de Charneca de Caparica e Sobreda, Pedro Matias, da Junta de Freguesia da Costa de Caparica, José Ricardo Martins, da Junta de Freguesia de Laranjeiro e Feijó, Luís Palma, e membros do executivo da Junta da União das Freguesias de Caparica e Trafaria em representação da respectiva presidente.
No espectáculo realizado no Fórum Municipal Romeu Correia estiveram presentes o Presidente da Junta de Freguesia de Laranjeiro e Feijó, Luís Palma, membros do executivo da Junta da União das Freguesias de Caparica e Trafaria, o Vereador António Matos e deputados municipais.
Esta iniciativa, ainda que realizada com modestos meios, conseguiu envolver entidades representativas não só da comunidade de origem alentejana mas também do tecido socioeducativo e cultural do concelho foi inegavelmente uma grande iniciativa, certamente que se consubstanciou como um sério contributo para reforçar a autoestima e os laços identitários que unem as cerca de 50 mil pessoas da grande comunidade de origem alentejana radicada em Almada, e de certa forma, dos 500 mil residentes na Área Metropolitana de Lisboa, com os seus dezoito Municípios.
“Almada homenageia o Cante”, consubstanciou dois dias de exaltação e afirmação da identidade cultural do Alentejo no diáspora e contou com a cobertura televisiva da TV Almada, que realizou uma vasta reportagem, na Oficina de Cultura e em actuações nas freguesias, tendo resultado o vídeo de 12 minutos de que partilhamos o link 
 
 www.tvalmada.pt/cultura/511/2/comemoracoes-do-cante/



Em breve vamos incluir algumas imagens deste evento bem como das 11 tertúlias realizadas pala Associação Amigos da Cidade de Almada e ainda de Toulouse e Carcassonne onde estivemos entre 7 e 10 de Dezembro.

25 de nov de 2017

Uma imensa salva de palmas para João Ricardo





Conheci o João Ricardo na Barraca - onde ele se iniciara nos palcos em 1990 em O Baile, que o Hélder costa adaptara do musical homónimo de Ettore Scola, ali em Santos no início dos anos 90 em pleno Festival Vicentino - o saudoso Festival Vicentino, que penso, com três edições, com direcção da Maria do Céu Guerra, trouxe o teatro amador e escolar ao CineArte e deu um grande impulso a concelhos da Margem Sul - como Almada e Seixal - para hoje existir a pujança teatral que permite, no caso de Almada ter uma Mostra com 30 companhias e grupos e um dos festivais mais importante do país e da Europa. Também muito desse impulso que leva décadas a ter consequências se deve à Céu Guerra e ao Hélder Costa. Numa dessas edições tive o privilégio que ter sido o João destacado para acompanhar a turma - que entretanto se constituíra em grupo da Escola Secundária da Amora. A peça que levávamos era a Barca do Inferno e resolvêramos usar barcos de borracha, um deles levado por um aluno. Mas ao enche-lo de ar, estupefactos, percebemos que não retinha o ar.... faltavam poucas horas para a representação, era necessário fazer as marcações, o único ensaio que íamos ter num palco a sério - ensaiavamos na sala da Junta de Freguesia da Amora - e perante o nervosismo e alguns ataques de choro de uma ou outra jovem actriz, o João, com o seu riso franco, diz:
- Ó Eduardo, podíamos resolver isso.
- Como?
- É simples: pomos o público a soprar à vez e resolve-se o problema!
Bem dito, bem feito! Ficou uma das alunas que não entrava de início e tinha um papel mais curto, com um pano a limpar, depois de cada sopro. (Se fosse hoje a ASAE interrompia o espectáculo!)
Ficámos amigos para a vida!
Encontrámo-nos poucas vezes, mas era sempre uma festa!
Na Expo' 98, nos copos, depois de uma reportagem para a Revista da Alma Alentejana, outra em Almada fomos beber um café com a minha filha, a Sofia - que o tinha conhecido num wokshop quando se iniciava na vida teatral - mais recentemente na Feira do Livro.
O ano passado, após a operação enviie-lhe um sms: Força, companheiro! muita força, não desistas!

Uma imensa salva de palmas para este grande, grande "animal de palco", João Ricardo, Amigo fraterno e imenso como o seu riso puro e cristalino!

16 de nov de 2017

Cem anos de Romeu

Depois de uma longa ausência ... quase um ano ... como o tempo passa?! aqui partilhamos a tertúlia realizada dia 14:


Cem anos de Romeu”



A tertúlia “Cem anos de Romeu” realizada no passado dia 14 foi um êxito. Com a Sala Pablo Neruda - Fórum Municipal Romeu Correia – apinhada com mais de 80 pessoas, com destaque para os familiares de Romeu, a filha Julieta e o neto João Vasco, assim como muitos dirigentes associativos – da Incrível Almadense, Academia, Farol, USALMA, U S D. Sancho, SCALA, ARPCA, CEDA, URAP, Associação de Moradores dos Capuchos. Iniciou com a passagem de um vídeo “30 minutos com…” – fraternalmente cedido pelo Farol (Henrique Mota) - fruto de uma entrevista televisiva, de 1987, ano em que Romeu foi homenageado em Almada ao completar 70 anos, um belo fresco em que Romeu, com frontalidade e muito sentido de humor, nos fala da sua vida e da sua arte, que contagiou os presentes. 

Depois de apresentados os oradores, de três gerações diferentes: Alberto Pereira Ramos, 86, antigo dirigente associativo – Academia, FPCCDR, 1º Congresso das Colectividades – antigo bancário tal como o homenageado, falou-nos de como tomou contacto com um livro de Romeu, ainda jovem, dos cafés que ambos frequentavam, da pessoa boa e de espírito aberto que era Romeu e do uso de laço para “não usar ‘farda” de bancário, fato, camisa branca e gravata, “pois o Romeu ainda que fingisse aceitar as normas de facto não as aceitava” ; o orador seguinte autor de História local com mais títulos publicados sobre Almada – cerca de 30 – que também privou quase diariamente com Romeu durante quase duas décadas deu-nos conta de como Romeu foi amado por Almada já antes do 25 de Abril, sendo o decisão de atribuir o seu nome ao fórum municipal em 1992 o ponto alto, bem como do agrupamento de escolas com o seu nome. A excelente e bem estruturada intervenção de Flores pode resumir-se assim: “ele [Romeu Correia] tinha necessidade de ser amado” e era “a emanação do povo de Almada”, lamentando que para as comemorações do centenário não ter havido uma comissão municipal – tal como a AACA propôs em Novembro de 2016 – e umacomissão de honra com convites ao Presidente da República e ao Primeiro-Ministro. Rodrigo Francisco, 36 anos, encenador e Director Artístico da Companhia de Teatro de Almada e do Festival de Almada, o último orador,explicou como foi desafiado há dois anos pelo Henrique Mota para encenar Romeu. O resultado foi a excelente encenação que fez do romance Bonecos de Luz;  Rodrigo descreveu-nos de uma forma muito viva e acutilante a forma como, a partir da aproximação à obra de Romeu e deste texto, construiu um espectáculo que partindo daquele imaginário do quotidiano de personagens populares e socialmente marginalizadas da primeira metade do século XX. O “povo povo” como Romeu gostava de designar aquelas figuras típicas com quem conviveu na sua infância e adolescência no Ginjal da necessidade de através do sonho e de uma certa evasão ou recriação da realidade, neste caso através do cinema de Charlot, tendo presente a necessidade de chegar aos jovens de 2017, com referências muito diferentes do final dos anos 30, inícios de 40.

Houve de seguida um período com variadas intervenções da parte da assistência, tendo, por nossa sugestão, alguns dos dirigentes associativos presentes divulgado as iniciativas programadas para os próximas dias, nomeadamente para dia 17. O vereador António Matos enalteceu estas tertúlias e propôs a sua continuidade para 2018. Esteve também a assistir o Director do Departamento da Cultura, Armando Correia e a Técnica da DAB, Mª João Ferro, em representação da responsável Eunice Figueiredo, que destacou a programação para dia 17 no FMRC.

À entrada podia-se ver uma pequena mostra de capas dos livros de Romeu disponíveis na Rede de Bibliotecas Municipais, anteriormente usada na exposição de Filatelia e assim optimizada e ao fundo da sala um conjunto de 10 obras autografadas pelo autor, do nosso espólio pessoal e o original de uma entrevista a Romeu Correia que publicamos em Novembro de 1987 no DN – suplemento DN-Jovem.

Foi desta forma informal – tal como a disposição dos oradores, junto ao público –que a Associação Amigos da Cidade de Almada assinalou com a dignidade que se impõe o centenário de Romeu Correia, sessão que contou com a cobertura televisiva da TV Almada. As tertúlias voltam a 12 de Dezembro para debater o Comércio local versus grandes superfícies.



Eduardo M. Raposo

Em breve publicaremos imagens da sessão

3 de jan de 2017

Celebrar a fraterna amizade



E como no dia 8 estávamos em Amesterdão, este ano o jantar de confraternização realizou-se no dia 12. O aniversário é mais um pretexto para juntar amigos uns momentos enogastronómico de saudável degustação que é pretexto para  fraternos momentos de convívio – sem ser complemento de uma reunião, uma AG, colóquio, seminário ou outro – para descontraidamente se poder falar de tudo…menos de trabalho e, sem peias, podermos dizer quanto gostamos uns dos outros. Bem, neste caso fui o principal visado e aqui vou deixar alguns testemunhos, em forma de poesia, enviando, reconhecido, em abraço muito grande aos autores.
 

 Neste mundo em que vivemos

Que gozamos e sofremos

A vida às vezes é um fardo

Faz serões a trabalhar

Para os outros a trabalhar

O nosso amigo Eduardo



Tem feito muita entrevista

Em trabalho de jornalista

No trabalhar é custoso

Tem muitas actividades

Em várias colectividades

Com orgulho este Raposo



Vamos todos em silêncio

Mostrar o nosso bom senso

É aquilo que lhe desejamos

Que passe com alegria

E na nossa companhia

Os seus 54 anos
                        do meu pai, José Carrilho Raposo, poeta repentista
(versos feitos e ditos na altura)






















Aos anos de um bom Amigo

Eu sei como é penosa esta subida,

Que todos, todos temos que fazer,

Dos íngremes degraus que há a vencer

Na perigosa escada que é a vida.



Assim, parece que não deve ser,

Um ano a mais, ventura apetecida,

- Por ser maior a época vivida

E mais curta a que fica por viver.



Mas também se, em verdade, o ano a mais

Se vem somar a outros, sempre iguais,

Vividos com trabalho, honra, decência,



Eu creio que deve ser de festa o dia!

- Pois com ele nos vem a alegria

De que não muda a própria consciência

                                                                                                                                                                           do amigo Gil Marovas                                                                                                                                                                                                                                                                                                            _____________
                                                              



Aniversariante na Diáspora

Ao Eduardo

Da Funcheira viajou em criança
Quis apanhar o comboio do futuro
Procurou a cultura com esperança
Deixar o pátrio berço, era pois duro.

Dessa terra amada cheia de pujança
Saudoso , então desse Alentejo puro
O honra e divulga com confiança.
Continue a servi-lo, bem lhe auguro.

O seu labor não é nada restrito
Deu aulas em beja, seu distrito
Da região evoca a memória.

A matriz cultural exorta com esmero
Seu sentimento é natural e vero
Do Alentejo assume sua história.

da amiga Maria  Vitória Afonso











 Tive o prazer de contar com a presença de, entre adultos – 26 - e crianças – 3 -, 29 amigos e familiares. À minha esquerda o meu pai, o meu irmão Ricardo, o meu sobrinho Ruben, o meu neto Roque, a minha filha Sofia com o novo membro da família, a Dalila - que tem agora quatro meses - o meu genro Luís, os amigos Alex - fraterno autor de todas as fotos fraternalmente disponibilizadas, excepto aquela onde está - João, a minha Anita, a Antónia e o Moutela, o João (Andrade da Silva), a Lena, o Amadeu, a Luísa, o Zé Carita, o Américo (Jones), a Mª Vitória, a Lúcia, o Naia, o Vítor Paulo e a Cristina, o Ferraz, o Paulo, o Gil, a Céu e o Rogério (de Brito), que tal como eu disse umas palavras emotivas e sentidas e o meu pai que leu os poemas que fez no momento.







Outros amigos, por razões diversas – compromissos inadiáveis como lançamentos, fecho de jornais, assembleias, sessões públicas, reuniões que atrasaram, falta de saúde, etc - que não puderam comparecer, mas fizeram questão de mandar um abraço aos presentes: o Fernando (Mão de Ferro), o Manel (Casa Branca), o Luís (Palma), o Mário (de Araújo), o Constantino, o Chaves, o Afonso, o António, o Armando, a Guika...









                                                                       Fotos de Alex Gandum