17 de mai de 2010

V Passeio Campestre… moinhos de vento entre a cortiça e o carvão…









Depois de um inicial percurso pedestre visitámos a Fábrica de Cortiça “Relvas II: Rolhas de Champagne SA” guiada pelo sr. Manuel Augusto Fernandes. Depois de mais uma saborosa caminhada por veredas e atalhos, as forças foram reabastecidas com o pique-nique - que de ano para ano se vai tornando mais comunitário - bem guarnecido e regado, inclusive pelo churrasco com que nos presentearam os anfitriãos, a sr. Filipa e o sr. Páscoa, proprietários dos Fornos de Cal, que visitámos e onde nos elucidaram sobre as particularidades da produção de carvão





A chuva que se fez sentir sobretudo da parte da tarde, não amedrontou nenhum dos quase 40 participantes que, a meio da tarde assistiram à brilhante intervenção de José Matias, antecedendo o lanche de túbaras (típicas) da freguesia. Foi no Restaurante “o Chaparro”. Este amigo, conceituado molinologista (e fundador do CEDA) apresentou-nos dois desenhos em grande formato que fez a partir de um estudo de uma estrutura de um dos moinhos existentes, em avançado estado de deterioração. O seu empenhamento em prol da valorização do nosso Património levou-o a uma ida de prévia desde Santiago do Cacém, para nos apresentar uma hipótese de restauro – frente e corte , muito apreciado pelos presentes. Terminou com uma sessão de autógrafos do seu excelente livro Moinhos de Vento do Concelho de Santiago do Cacém, publicado em 2003 na colecção “Memória e Escrita Alentejana” – uma parceria CEDA/Edições Colibri – onde tivemos o prazer de assinar o prefácio.


Um grande abraço ao Zé Matias e a todos os participantes, nomeadamente à Manela, ao João, à Teresa, à Otília, à Maria Vitória e ao marido, e especialmente ao incansável animador , o amigo Alex Pirata, com quem há cinco anos fazemos a parceria - ”baseada na carolice”- como gosta de sublinhar – em nome das associações de que éramos então presidentes, o CEDA e a MontemorMel.


Esta 5ª edição, não obstante a chuva e a ausência de alguns amigos que, tendo participado noutros e que aqui, por diversas razões, não lhes foi possível, viu a participação de outros amigos, que estiveram pela primeira vez e que são assíduos caminhantes, inclusive organizadores de caminhadas, onde já temos tido o gosto de participar, nomeadamente a Teresa Pinto Correia e outros amigos.


Uma palavra ainda ao excelente trabalho do Gabinete Gráfico do Município de Montemor-o-Novo na concepção gráfica do flyer de divulgação.


Os nossos agradecimentos ao Município que fez o flyer, divulgou e inscreveu através do Posto de Turismo, e à Junta de Freguesia local que deu uma apoio parcial na aquisição do lanche.


Um Abraço caloroso a todos os amigos, participantes e ausentes, mas que todavia estiveram connosco.


Fica a promessa: em Maio de 2011 voltamos a encontrar-nos!

3 comentários:

Anônimo disse...

Contrariamente ao dia de chuva,houve a luminosidade em nossas almas,retemperadas do stress da semana,pelo espírito de partilha de saberes e sabores e de afectos.Quem diz isto é a Maria Campaniça que estava lá e achou o passeio fantástico.
Maria Campaniça - eu mesma.

Ezul disse...

Uma paisagem extraordinária, a sabedoria que nos foi transmitida, gente afável, os perfumes do campo, da cortiça e do carvão,extraordinários sabores alentejanos,bom vinho...mas não precisava ter chovido tanto!!!
:)
A sério, foi um percurso muito interessante, que gostaria de repetir (sem chuva!).

Alexandre Júlio disse...

É compadre destas andanças!

Tenho andado tão arredado destas bloguices que só agora, estou a visitar o Post ao nosso passeio.

Parabéns compadre!

Eu entusiasmado com o teu, post acabei por dar mais um empurrãozito e lá fiz o texto para o meu Post, que há tanto tempo já esperavam as fotos.

Como diz a Manuela, só não era preciso tanta chuva.

Um abração, Alex.