8 de ago de 2010

Teatro do Amor e da morte!...

Há mais de sete anos, em finais de 2002, escrevi noutro espaço um breve texto sobre um exercício teatral acontecido na Casa Amarela, o resultado de um atelier de expressão dramática, curiosamente a partir de "Sonho de uma Noite de Verão" de Shakespeare. Intitulei o texto "Nasce uma Actriz".



No dia 30 de Julho assisto a um espectáculo (Casa do Povo de Corrios) em que estou perante a mesma menina, agora com 20 anos. A actriz transfigura-se numa Mulher madura, Leonor: marcada pelo sofrimento, pelo Amor, pela perca e pela morte.


Quase 60 minutos onde temos alguns momentos de verdadeiro Teatro. Onde a revelação de há quase 8 anos se confirma plenamente. Esta actriz dá-nos uma lição da Arte de representar, unanimemente referida pelo público. Afinal, do que escrevi então, não mudo uma vírgula. A actriz chama-se Sofia Raposo. .


A 3ª edição do meu livro Canto de Intervenção 1960-1974, apresentada no Casa da Música (Porto), 25 de Abril de 2007, dediquei-a a pessoas muito especiais para a minha Vida e para o meu caminho. Transcrevo este excerto:


"Quero dedicar à minha filha Sofia, linda como o Sol, que está a aprender a fazer da arte de representar uma forma muito bela de estar na Vida, que sabe que é preciso estar de pé com dignidade, que sabe que é preciso sonhar..."


Parabéns Sofiazinha! Persegue o teu sonho porque o sentido para a Vida está aí!






Voltando a 2010. Este espectáculo"Ironia da Razão",
tem encenação de Tiago Durão, que contracena com Sofia Raposo e com Rute Guerreiro. Tem produção plástica de Irina de Almeida, luminotecnia e sonoplastia de Cristina Rodrigues, Publicidade e marketing de Jéssica Costa e Figurinos de Maria Sécio.






Nesta tragédia Skakespeariana, "Irona da Razão" - como nos diz o jovem encenador com apenas 18 anos- "são retratadas as temáticas do amor, perda, desilusão, razão e morte. Evoca as grandes questões da existência humana com base nas grandes personagens shakespearianas. David ao interrogar-se sobre as suas questões existenciais perde Leonor, ficando num estado de loucura e contraditoriamente mais perto da razão."
A dramaturgia também é de sua autoria, pois é um texto resultante da fusão de obras tão diversas como por, "Hamlet" de William Shakespeare, "A loucura" de Mario Sá Carneiro, "Veronica Decide Morrer" de Paulo Coelho, o guião do Filme "Patch Adams" e no "ensaio sobre a Loucura" de Joaquim Nogueira.




O encenador deste novo projecto teatral, que já teve uma primeira experiência com o exercício teatral “a Miragem”, baseado em textos de William Shakespeare empreende uma busca da percepção de questões centrais da condição humana, busca curiosamente encetada por um tão jovem encenador, e com ele toda uma equipa, também muito jovem, mas muito esforçada.


Fazemos votos para que “limadas algumas arestas” técnicas e outras, este "Teatro Experimental da Casa do Povo de Corroios" trilhe os caminhos do verdadeiro Teatro, entre o riso e o choro, entre o Amor e a morte.


Parabéns aos jovens intervenientes, nomeadamente ao Tiago e especialmente à actriz revelação.


Bem Hajam!

Um comentário:

Ezul disse...

Parabéns! Que continuem e sempre com muito sucesso!
:)