21 de dez de 2009

Em Nome da Vida!

Deambulo no meu cavalo de fogo e de vento pelos campos sempre renascidos da minha Pátria. Aqui sinto-me em paz, sinto-me purificado, não tenho que ser confrontado com a hipócrisia do consumismo desenfreado destes dias do ano... navego no mar, calmo ou revolto, do silêncio da planície.... sou então surpreendido com a excelente notícia da justiça feita à activista do Shaara Ocidental Aminatu  Haidar... finalmente pode regressar à sua Pátria, ver os campos do seu país como eu percorro os do meu!... daqui desta Terra de tolerância saúdo a sua coragem, a sua dignidade e saúdo este desfecho onde prevaleceu a tolerânia e o humanismo, característica milenar mediterrânica, afinal tão diversa de alguns povos europeus arrogantes, intolerantes e... pouco informados até sobre a origem da arquitectura das suas catedrais e ... como fazem refrendos por tudo e por quase nada, porque não fazerem um referedo obstando à permissão da intolerância e da ignorância?!...



Há alguns anos, um amigo contou-me como às vezes se identificava com a personagem de um conto de um prémio literário de que havia sido júri, um trabalho que não vencera mas mesmo assim o marcara a ele e não só a ele...  era um personagem que percorria, quase enlouquecido de dor, os campos em busca do seu amor, entre Beja e Évora  entre Évora e Beja... recentemente reencontrei o meu amigo depois de vários anos. Estava tão diferente!  envelhecerá, os seus cabelos antes louros e a barba ruiva eram agora grisalhos, mas ainda conservava o olhar de menino mas... sentia-se em todo o seu ser uma estranha serenidade como se do seu olhar se libertassem centelhas de luz! Sentiamo-nos tão serenos, tão calmos na sua presença! Abracei-o e perguntei-lhe se a sua busca tinha chegado ao fim... respondeu-me com um sorriso tão luminoso quanto a serena felicidade que emanava...
- A minha busca continua mas agora encontrei o meu caminho... que importa se o vou percorrer um dia ou se mil anos... sei que este é o caminho verdadeiro e percorro-o como se estivesse parado no tempo esperando por ela, porque sei que um dia a encontrarei!
disse-me com doçura mas com uma profundo convicção...
Deu-me um abraço em silêncio e seguiu o seu caminho tão sereno e tão firme, como se levitasse, luminoso como o Sol!

Um comentário:

perfume de laranjeira disse...

Do meu velho Amigo Luís Graça - jornalista, poeta e um dos escritores com mais sentido de humor que conheço e não é alentejano!... - das tertúlias do DN-Jovem dos anos 80 e das odes ao Teixeira de Pascoais em Amarante tão bem documentada num dos seus livros, do meu velho Amigo Luís recebi, via email, esta simpática mensagem, que partilho.
Um grande abraço Luís Graça1
Certamente lá estarei1

"Belo texto!

Espero ver-te no teu cavalo de fogo no dia 14 de Janeiro. O encontro no Liceu Camões começa às 11h30m.
O pitéu consta do Zé Carlos Barros, António Manuel Venda, Pedro Mexia e Zé Mário Silva. O Manel Dias está confirmado.

Boas Festas e grande abraço:

Luís Graça"