13 de mai de 2009

"Cantigas do Maio" - tributo maior ao Amor... e ao Alentejo


8 de Maio

Na RTP Memória, Programa "Pontos nos íis"
"A nossa canção de protesto"
por Mário de Figueiredo
Mesa-redonda com José Jorge Letria, Viriato Teles e Eduardo M. Raposo


Recebi uma simpática mensagem, de que publico um excerto.
Intitula-se:

O Poeta chorou

"Caro amigo
Quero dizer-lhe algumas palavras sobre o programa “Pontos nos is”de ontem. Vi, com o meu marido do princípio ao fim até porque éramos no passado telespectadores assíduos do Zip.
Mas como tenho um sentimento profundo de partilha, avisei o meu amigo Fernando Reis Costa da hora do programa e ao intervalo aí estávamos nós a trocar impressões via net.
Ele é um poeta sensível e inspirado (pena n/ ser alentejano) mas é de Coimbra .Eu trato-o por meu irmão pois tem-me ajudado muito a crescer na literatura e na vida.
É uma pessoa incrível.
Ele gostou muito do seu depoimento e disse que quando o sr. Falou da Funcheira e de seus pais ,captando a sua sensibilidade(ele era da área da psiquiatria) ele chorou..
Finalmente digo que o programa foi extraordinário(...)"

Maria Vitória Afonso


Um abraço de agradecimento, extensivo a todos os amigos que viram ou gostaríam de ter visto o programa


e este belo Poema/canção, um dos meus preferidos do Zeca,
para a Mulher que eu adoro!...

Eu fui ver a minha amada
Lá p'rós baixos dum jardim
Dei-lhe uma rosa encarnada
Para se lembrar de mim

Eu fui ver o meu benzinho
Lá p'rós lados dum passal
Dei-lhe o meu lenço de linho
Que é do mais fino bragal

Eu fui ver uma donzela
Numa barquinha a dormir
Dei-lhe uma colcha de seda
Para nela se cobrir

Eu fui ver uma solteira
Numa salinha a fiar
Dei-lhe uma rosa vermelha
Para de mim se escantar

Eu fui ver a minha amada
Lá nos campos eu fui ver
Dei-lhe uma rosa encarnada
Para de mim se prender

Verdes prados, verdes campos
Onde está minha paixão
As andorinhas não param
Umas voltam outras não

Refrão:
Minha mãe quando eu morrer
Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus mo deu. Ai Deus mo levou
José Afonso (Poema e música sobre a letra de refrão popular)

Nenhum comentário: