9 de out de 2007

O Festival do Amor... a beleza da Amizade... a Sabedoria de saber subir a montanha!

Depois de mais um Festival do Amor, em segunda edição, na Praça da República em Beja, a partir do imaginário romântico de Mariana Alcoforada, realizado no último fim de semana de Setembro, quando captamos a imagem deste simpático par dançando à chuva - o aniversariante Carlitos e a sua amada Suzana , Outubro encontrou-nos de novo em deambulações pelo Alentejo.


No mesmo dia em que assinalava mais uma passagem do 5 de Outubro de 1910 fomos encontrar o nosso amigo Alex Pirata em mais uma sessão de divulgação do suave mel e das suas abelhinhas; deste vez foi na ARPI de Fazendas do Cortiço – o local certo – muito perto de Montemor, junto à estrada para Brotas, entre música, um aconchegante chá – das cinco – dança, convívio… este que se prolongou na sua casa, pela noite dentro, saboreando o divino licor de poejo com que a senhora sua mãe nos presenteia, a nós simples mortais, e sempre com a alegria contagiante desta amigo puro e ainda na companhia de outro grande amigo, o Manel Casa Branca - onde somos habituées no seu atelier/galeria 9ocre e… na sua casa.






































Depois, numa viagem breve nas muito agradável senti de novo algo que não acontecia há muito… os cheiros da minha infância na casa de uma sua amiga, do Manel, pintora, companheira de um alentejano com um belo sotaque e um cachimbo que também me recordou outros tempos… mas as recordações mais longuínquas levaram-me a Alvalade-Sado, uma casa de telha vã, finais de 60, onde cheguei a dormir, habitada sazonalmente por quem trabalhava na que era conhecida por “fábrica do tomate” – que depois encerrou –. Não houve registo de imagens como aconteceu no dia seguinte onde durante uma longa caminhada em comunhão solitária com a natureza e a paisagem humanizada recolhi algumas das imagens que vos deixo, algures no Alentejo… mas bem poderia ser Norte de África... quem sabe identificar?

























































Enquanto se vive intensamente o presente em cada momento neste fim de semana sereno e tranquilo as notícias que nos chegam do mundo não são nada animadoras. Os senhores das armas matam, destroem, desrespeitam impunemente os direitos humanas… o direito à Vida. Desde os mercenários americanos da Blackwater que lançam o pânico no centro de Bagdad, aos generais birmaneses que continuam a deter milhares de manifestantes, até ao assassinato da jornalista moscovita Anna Plotkovskaya, há um ano, que continua impune;entretanto em 60 países fora da União Europeia continua a vigorar a pena de morte, indiferentes à “Jornada Europeia contra a pena de morte” a realizar no próximo dia 10 de Outubro...
morte, destruição…
mas acabo agora mesmo de receber uma mensagem do amigo Alex, pensamentos que o grande mestre da realismo fantástico, Gabriel García Marquez, então em fase terminal, quis partilhar, ele que soube fazer da partilha a razão… a beleza da sua arte e... fez questão de partilhar a sabedoria última de quem parte… para nossa reflexão!

Aprendi que todo o mundo quer viver no cimo da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir a escarpa

Não serás recordado pelos teus pensamentos secretos. Pede ao Senhor a força e a sabedoria para os expressar

Um comentário:

Alexandre Pirata disse...

... E A NOITE JÁ VAI LONGA!

Foi com alegria que voei pelas linhas do fim de semana, onde nos cruzámos entre o mel e poejo, produtos sempre dignos representantes da alma alentejana, do saber alentejano, tradicional, genuíno, natural, feito e recolhido com o orgulho e carinho Alentejano, de apresentar aos amigos sempre os nossos melhores embaixadores.
Fizestes bem aproveitar o dia sem carro para visitar o sempre nobre castelo e as suas belas ruas do arrabalde.
E a tua máquina já foi reparada?
Não gostei da minha foto que tirastes em grande plano, substitui por outra que tenhas da barraquinha do mel ou por uma do bailarico.
Um abraço, deste Alentejo,
Alex.