11 de fev de 2011

Poemas de Amor do Antigo Egipto:Ode ao Amor e à Beleza... e ao Futuro!

Conversas na Corte




DIZ ELE:


Amada, és única, de ti não se fez duplicado,
A mais graciosa de todas as mulheres,
       luminosa, perfeita,
Estrela cadente sobre o horizonte no ano que passou,
       um bom ano,
Esplêndida nas cores que usa
       e cheia de sedução em cada olhar.
Os lábios são um encanto,
       o pescoço tem o tamanho certo
              e os seios uma maravilha;
O cabelo lápis-lazúli a brilhar,
        os braços de mais esplendor que o oiro.
Os seus dedos lembram-me pétalas,
        as de lótus são assim.
As ancas modeladas como deve ser,
        as pernas de beleza sem rival.
Nobre a forma como anda
               (vera incensu)
Meu coração seu escravo ficaria se a mim se abrisse.
As cabeças voltam-se – e a culpa é sua –
       para a seguirem com o olhar.
Afortunado o que a puder abraçar apaixonadamente;
       será o número um de todos os jovens amantes.
Deo mi par esse
       Todo o olhar a vai seguindo
                mesmo quando já está fora de alcance,
Singular deusa,
       sem igual.


Poemas de Amor do Antigo Egipto

(Trad. de Hélder Moura Pereia), Lx, Assírio &Alvim, 2011-02-11

Traduções a partir das versões em inglês de Ezra Pound . os poemas datam de entre 1567 a.C. e 1085 a.C.



O Amor, a Beleza, a poesia são intemporais. Este belo poema de Amor podia ter sido escrito hoje. Mas não, tem milhares de anos, de Beleza como o fulgor da grandiosa e fundadora civilização do Mundo Mediterrânico - das Pirâmides e dos Faraós, que depois deu lugar a outra não menos fulgurante, a islâmica, que mentes preservas, rudes e boçais apelidavam, na contemporaneidade, estes grandiosos povos do Médio Oriente e do Magrebe – a Tunísia, p. ex. – de atrasados, subdesenvolvidos, machistas, terroristas. Quem, do chamado Ocidente teve a capacidade de se deixar seduzir, abraçou intensamente a Beleza… p. ex. Lawrence da Árabia…

As Revoluções em Tunis e agora no Cairo são o sinal de ressurgimento do futuro esplendor e da tolerância, da supremacia do saber e da inteligência!...

Este poema, Ode fulgurante ao Amor e à Beleza da Paixão, é também para o novo Egipto, que de uma forma ou de outra, iniciou o seu futuro, o futuro da Paz!...

Quando escrevi desconhecia ainda o desfecho. Hoje apenas reafirmo e saúdo o novo Egipto que (re)começa agora!

Um comentário:

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION
PERFUME DE LARANJERIA

CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...




ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE MONOCULO NOMBRE DE LA ROSA, ALBATROS GLADIATOR, ACEBO CUMBRES BORRASCOSAS, ENEMIGO A LAS PUERTAS, CACHORRO, FANTASMA DE LA OPERA, BLADE RUUNER ,CHOCOLATE Y CREPUSCULO 1 Y2.

José
Ramón...