1 de jul de 2009

Leolinda na Casa do Alentejo


Leolinda é Calipolense. É Poeta. É música – fez o curso complementar de acordeon, toca piano…. Leolinda é pintora...

Num dia mágico, depois de logo pela manhã termos visitado Florbela, presenteou-nos com uma visita guiada ao seu imenso espólio, das suas muitas dezenas de belas pinturas que preenchem todas as paredes e não só, duma antiga casa, bem alentejana, de muitas assoalhadas e vários pisos. Foi num dia mágico em Vila Viçosa…


Leolinda Trindade foi organista no paço Ducal de Vila Viçosa. Está representada em várias colecções particulares. Colaborou em vários jornais do Alentejo, foi premiada em diversos jogos florais e figura em Antologias de Poesia, como na Antologia de Poetas Alentejanos do século XX, realizada por Francisco Dias da Costa, provavelmente a mais importante Antologia feita até hoje sobre Poetas Alentejanos.



Leolinda tem uma exposição na Casa do Alentejo – Salão de Olivença.
Leolinda está feliz, pois cumpriu um dos seus sonhos: expôr na Casa do Alentejo, como me disse ao telefone com um grande sorriso. Fico contente, Amiga Leolinda!



Parabéns Leolinda!


Inaugurada no dia 19 de Junho, a exposição está patente até meados de Julho. A não perder!


Do seu livro o silêncio das palavras, com capa por si ilustrada, partilho dois belos sonetos


Momentos

Abriram-se as roseiras do jardim
ao vires à minha casa p’la tardinha,
e veio pousar-me à porta uma andorinha,
só p’ra te ver passar ao pé de mim!

Eu vi-me num palácio de marfim
como uma afortunada princesinha…
ciosa de uma jóia que era minha
e que eu guardei feliz até ao fim

Não era sonho não… que a tua imagem
enchia a minha casa como um grito,
e eras mesmo tu… e não miragem…

sentado ao pé de mim, de fronte erguida
à nossa volta estava o infinito…
já não contava o tempo, nem a vida


Júbilo

Chegaste ao pé de mim… como sorrias,
dir-se-ia que a terra estremeceu,
tinhas luz no olhar e não sabias
Que o mundo mais parecia ser só teu.

E as horas que passavam tão sombrias,
ficaram tão felizes como eu…
Se entrasses no meu peito tu dirias
Que até o coração me enlouqueceu.

E tu estavas ali na minha frente,
sereno como um Deus… quase indiferente
À Primavera que brotava em mim…

Saíam estrelas lindas dos teus dedos
E vinham-me dizer estranhos segredos
Com pena de eu te amar, tão louca, assim!
Leolinda Trindade

2 comentários:

Anônimo disse...

Tudo é belo em Leolinda, as palavras a música os quadros... Tudo vem de dentro, duma alma afectuosa que ama o amor. Há dias mágicos como diz, há pessoas mágicas, há lugares e momentos eternos...

Flor

perfume de laranjeira disse...

A Leolinda, como diz, de facto, constrói beleza em cada momento. Fico contente por saber partilhar a beleza de Leolinda em todo o seu ser. Há dias mágicos sim, e outros difícies, quando tudo parece correr mal, a saúde que fica frágil, contrariedades várias e... de repente deparamo-nos com um comentário tão perfeito - porque define, esculpe Loelinda em toda a sua plenitude em tão escassas mas certeiras palavras. Obrigado Flor, por este momento mágico que me foi dado saborear!...